Makexpress's Blog

Oi gente!

Fazem duas semanas que foram lançados os batons da intense efeito mate

e eles estão bombando!!!!Eles são TUDO!

A cor neon que esteve em alta no verão continua com força total no inverno,mais agora com o efeito mate!

São seis cores incríveis

Os meus preferidos são os rosas….o 230 (roxinho) o 231 (neon) e o 232 (rosa chiclete.Eles custam R$ 12,90 e tem uma cobertura perfeita!Ah o vermelho (330) tbm é lindo!Super Diva!

A coleção mate tbm  veio com novas cores de blush  R$ 25,90 …

Esse rosa bebe  é o meu preferido….

E algumas  sombras tbm …elas são cintilantes pra dar um contraste com a boca mate!R$ 15,90

E ai qual produto vc mais gostaram?

bjs

By Doris

Se você como eu não ainda ficou com “aquele” bronze….abuse das makes com efeito bronzeado!Fica lindo e bem natural(claro sem exageros neam)!!!

Nesse video o lindo do Sadi Consati(amo) te ensina algumas dicas usando os produtos da linha Intense O Boticário…..

Loiras….

E para as Morenas….

Agora eh aproveitar o verão!!!!!

bjs

By Doris

Oi gente to muito sumida neh…ah aconteceram tantas coisas(boas) nesse fim de ano foi super corrido e não tive tempo para postar….sorry!

Mais 2011 começa muito bem!Com muitos posts novos e agora com promoçoes!!!Aguardem!!!

E….Feliz Ano novo atrasado pra vcs!!!

Muita luz,saude,amor,dinheiro e muitas makes!!!!!xoxo

Ah e muita música tbm….essa eu amo!!!!Vibe mto boa!!!!

 

Bjs

By Doris

Adorei a música nova da Claudinha Leitte “Famo$a”,vc ja ouviram neh?

Aperta o play ai!

Vcs precisam ver a versão original….muito legal!!!A voz do Travie McCot é uma delicia!

Fala ai….a versão da Claudinha ficou muito boa neh!!!!

Pois é….quem não gostaria de ser famosa ?oOu bilionária hein?hahaha

Bjs by Doris

Pois eh,depois de vários perfumes(maravilhosos!) agora a Britney lança sua coleção de roupas!!!!

A Britney já foi garota propaganda da Candie’s em 2009 e gerou muita procura pelos fãs.Mais agora as peças foram desenhadas pela propria britney!Muito legal neh!

Da uma olhada no video promocional da marca….

As peças são vendidas nas 1067 lojas Kohl’s espalhadas por 49 estados norte-americanos.Os preços variam entre US$14 e US$78 (R$ 25 e R$ 140, aproximadamente).Mais você pode comprar também pelo site! www.candies.com

O q vcs acharam?

bjs

by doris

*fonte:rollingstones

1067 lojas Kohl’s espalhadas por 49 estados norte-americanos

Gente a Wanessa deu uma super entrevista para a revista TPM desse mês!E vasculhando a net também descobri que vem muitas novidades por ai!

A primeira é a nova musica que com certeza vai bombar!No estilo Lorena Simpson…..ouvi ai…..

eu adorei!

E tem mais….ela tah de cabelão…

Essa foto foi tirada para a revista TPM….cabelo longo é o poder msm…arrazou Wanessa!

Bom que ela adora mudanças e desafios a gente ja tah cansada de saber…mais tenho mais ma quentinha que soube pelo site Wanessa News….segundo esse site ela teria gravado uma musica com o Neyo!!!!Será?É esperar pra ver….

E falando em esperar a Wanessa tah preparendo muitas surpresas para os seus fãs…o site oficial da cantora está em manutenção,e foi postado om video no you tube titulado “Voce não perde por esperar….” hummm to curiosa

*essa é  foto atual do site**

Dá um “olhada” na entrevista que ela deu pra  a TPM….

Tpm. Uma cantora pop costuma ser 50% música e 50% comportamento. Você é uma cantora pop. Sabe dizer que tipo de atitude você vende?
Wanessa Camargo. Não.

Será que muita gente compra sua música por causa da sua roupa, do seu cabelo, das coisas que diz? Ou porque não faz o gênero “a boazinha”?
Não sei até que ponto isso influi na venda de uma música. É difícil dizer que comportamento vendo porque não sou uma coisa só. Sou muitas. Estaria me rotulando, né? É. Mas tem consciência do que transmite? Não. Sou eu. É mais fácil falar de fora. Sei, por exemplo, o que compro da Lady Gaga, da Madonna.

O que compra delas?
Da Lady Gaga é a ousadia. Da Madonna é a inteligência. E o espírito de guerreira. Dizer o que passo para o outro é muito mais difícil.

Dá pra dizer que você foi vendida como o contraponto da Sandy, que representa a menina certinha. Faz sentido?
Tem esse contraponto, mas não é só isso. Ainda me acho um enigma, busco a evolução o tempo inteiro.

As comparações com Sandy te complicaram a vida?
Não. É mais um assunto, não que tenha me prejudicado. É chato você ver os fãs brigando.

É um assunto de que não aguenta mais falar?
Não. É um assunto que não existe. Existe a rivalidade para as pessoas. Para mim não existe.

Vocês não são amigas?
A gente não é amiga nem inimiga. Éramos boas concorrentes. Hoje o foco dela musicalmente é outro.

É o tal do contraponto.
É. Ela é muito diferente de mim. As pessoas não precisam escolher quem é melhor. Tem gosto para todo mundo. Tem gente que acha que a Sandy canta mil vezes melhor. E OK! Não precisa colocar uma como primeira.

Arquivo Pessoal

Com cara de sapeca – e mão no rosto – no apartamento da Mooca, aos 5 anos, com o pai e a irmã, Camila

De todo modo, é importante para sua carreira que isso exista?
No começo, me irritava. Queria provar que era diferente. Com 18 anos, você não quer que pensem que está tentando imitar ninguém. Mas não me incomodo mais se há rivalidade ou não. Desde que cada uma respeite o trabalho da outra.

A beleza também faz parte dessa imagem que se compra e se vende. Se você fosse uma menina feia faria o mesmo sucesso?
Não me acho uma menina bonita, me acho uma menina normal.

Mas, se fosse feia, acha que seria tudo igual?
Depende. Tem cantoras que estão estouradésimas e funcionam com aquela imagem meio freak. Não precisa ser linda nem ter o corpo da Beyoncé. Você pode ser sensual, ter outras formas de mostrar sua beleza.

Você se acha sensual?
Quando quero ser, acho que consigo. Mas sou muito moleca às vezes, então quando quero ser sexy tenho que vestir um personagem.

A sensualidade é importante no canto?
É. Mas o mais importante é quando você sente que está cantando. Não é só a sensualidade, mas a entrega em cada palavra. Muitas vezes eu cantava, mas, às vezes, você está pensando no frango que comeu ontem.

Já aconteceu isso com você?
Já. Era normal. Hoje vejo como um erro gravíssimo. Você está fazendo o show há dez dias e não existe mais a entrega. E aprendi que é isso. Quando você está cantando, essa sensualidade, essa entrega, é essencial. E a resposta do público é outra. É impressionante como muda.

Quando descobriu que estava cantando no piloto automático?
Eu não entendia a responsabilidade que tinha no palco. Isso veio de três anos pra cá, principalmente quando tive que tirar o balé do palco. A gente resolveu fazer um show de banda, dar mais destaque para a música ao vivo para mostrar que eu estava cantando ali. Porque o balé, a coisa ensaiada, se torna uma bengala.

Muleta?
É. Porque você não precisa ficar chamando o público para cantar junto. Na hora em que o balé acabou eu não sabia o que fazer. Então fui descobrindo novas formas de interpretar e vi como era gostosa essa entrega.

Nesses dez anos de carreira, fez muita coisa sem estar entregue?
Sim. Era muito nova. Quanto mais você vai se entregando, mais toma seu trabalho para si. Então, de um tempo pra cá é que realmente a minha carreira é parte de mim.

De quanto tempo?
Cinco anos. Claro que tem muita coisa desses anos que me fez melhorar como artista. Mas, ao mesmo tempo, é tudo muito novo. Ainda mais neste momento em que estou tentando seguir um outro caminho. É um recomeço.

Agora sabe o que quer fazer?
Nunca deixei de estar feliz com meu trabalho. Mas queria fazer outras coisas e estava sendo tolhida disso. Não que tenha me encontrado, mas encontrei a liberdade que não tinha.

Quem te tolhia?
A gravadora? Não. O mercado todo. As rádios pop não tinham interesse em me ouvir.

Achavam você popular demais?
É. Foi muito difícil quebrar essa barreira. A gravadora [ex-BMG, agora Sony] que está comigo há oito anos foi vendo minha evolução, mas também não tinha certeza se devia acreditar nas minhas escolhas. Tive que ser muito enfática para mostrar que queria fazer esse trabalho independentemente do resultado. Preciso ter tesão naquilo que estou cantando. E não estava mais sentindo isso. Como ia continuar com esse trabalho?

Por que o tesão foi sumindo?
Quando tinha 18 anos, fazia sentido cantar “O Amor não Deixa”, “Apaixonada por Você”. Mas, com o tempo, não tinha como continuar naquele caminho. Mas ninguém acreditava no que dizia.

Então, conta: o que a Wanessa Camargo gosta de cantar?
É difícil explicar. Sou muito mutante. É essa variação da vida que me interessa. Isso reflete no cabelo, na roupa, nos amigos de diferentes tribos. E na música. Busco fazer as coisas que tenham a ver comigo naquele momento, sem querer agradar um geral. Minha identidade é esta: ter tesão naquilo que canto. Independentemente de estilo musical.

Isso cria a impressão, para quem vê de fora, de uma falta de identidade musical.
Não vejo isso como um problema. Por que as pessoas acham que tenho que seguir uma coisa até o fim? Não sou assim. Quero ser o que esteja vivendo no momento. Não sou do tipo de não fazer porque não é a minha linha. A intenção é fazer uma música mais livre.

Arquivo Pessoal

Com Marcus Buaiz: “Ele é muito sincero, fala tudo na lata. Gosto disso”

Com Marcus Buaiz: “Ele é muito sincero, fala tudo na lata. Gosto disso”

Essas mudanças têm a ver com o casamento e o fato de o seu marido ter se tornado seu empresário? Não. Tem a ver com o fato de que o Marcus [Buaiz] é uma pessoa que me ajudou a enxergar como eu poderia fazer esse trabalho acontecer. Quando a gente se conheceu, eu já estava precisando fazer coisas novas. Eu não tinha mais espaço, pois a administração [da carreira] e o marketing me emperravam.

Como era isso para você?
Frustrante. As rádios populares sempre me deram apoio, mas chegou um momento em que minha música não tinha mais identificação com elas. Então, para que continuasse tocando, tive que tirar um pouco da minha personalidade. Isso te poda. Eu queria fazer uma coisa que tivesse a ver comigo. E ele [o marido] falou para eu fazer a parte criativa que ele delinearia um caminho para mostrar essa música.

Você faz sucesso popular, mas a crítica sempre torceu o nariz. Como lida com isso?
A primeira porrada que tomei veio em 2001 no prêmio Multishow, depois de seis messes de carreira. Quando ganhei revelação, só tinha eu de pop contra concorrentes de MPB, Nando Reis, Max de Castro, Pedro Camargo Mariano e não me lembro o outro… [o cantor de pagode Belo]. Achei que não ia levar aquele prêmio nunca. Mas estava estourada com a música “O Amor não Deixa”. Levei o prêmio escolhido pelo público e recebi uma vaia no Theatro Municipal.

Como reagiu?
Foi um baque. Mas eu não via a vaia. Quem vaiou não mostrou a cara. Então, de um lado tinha o Capital [Inicial] aplaudindo, minha mãe e o pessoal que eu já conhecia do meio vibrando. Não fiquei com raiva, só assustada. No microfone, disse: “Não merecia este prêmio, tenho que crescer muito para receber um prêmio desses. Mas só de estar aqui…”. Porque via Marisa [Monte], Djavan, por quem sou louca, Rita Lee, estava mais empolgada de estar ali com meus ídolos do que pensando no prêmio em si. Com o tempo enxerguei a maldade disso.

O que quer dizer com maldade?
A maldade de não respeitar. Você pode não gostar, mas foi um prêmio verdadeiro e quem elegeu foi o público. Você não precisa desrespeitar o trabalho de alguém vaiando. É pesado. É para deixar claro: “Você é uma merda”.

A autoestima ficou abalada?
Não. Não vou ficar triste porque 15 pessoas vaiaram se 20 mil votaram. Desde que comecei, sabia que viria uma avalanche de gente criticando, até pela falta de experiência. Então sempre dei a cara a bater sem saber mesmo. Eu poderia ter tido a sabedoria de ouvir o que valia a pena. E não ouvir quem critica porque se incomoda comigo de alguma forma. Mas, no começo, aquilo te pega. Algumas frases pesadas ficam no subconsciente.

Quais?
Coisas que misturam um pouco o “ela só quer copiar não sei quem” com o “só está aí porque é filha do Zezé, não tem talento”. Um jeito agressivo de falar. Eu sei quando desafinei, quando mandei mal, sei que não me entreguei [à música] em certos momentos. Se não gosta, troca de canal, de rádio. Não precisa ficar torcendo para eu cair.

Arquivo Pessoal

Ao lado de Beyoncé, nos bastidores do show de abertura em Florianópolis, em 2010

Ao lado de Beyoncé, nos bastidores do show de abertura em Florianópolis, em 2010

Recorria a alguém quando uma crítica te fazia mal?
Não. Sempre fui muito solitária. Tinha as pessoas que trabalhavam comigo, mas não adianta ninguém te falar nada. É uma solução aqui dentro.

Você é solitária?
Gosto de momentos de solidão total. De não ouvir ninguém e de ficar conversando comigo mesma. Esse exercício de autoanálise é muito importante.

Desde pequena?
Desde pequena. A minha religião sempre foi solitária. Sempre gostei de manifestar a minha fé sozinha. Não sou de ir a cultos.

Você não tem religião?
Ainda sou uma pessoa em questionamento de muita coisa. Só sei de algumas certezas.

Que certezas?
Da fé.

Dentro disso, você já descartou alguma coisa?
As visões limitadas que algumas religiões impõem, do que é certo e errado. O mais aberto para mim é sempre o melhor. Ainda não achei uma religião que me convença 100%. Tem um pouco do espiritismo, da religião católica.

Em que momento mais precisou se agarrar a essa fé?

Quando perdi uma cartilagem e não tinha mais movimento do pé esquerdo. Não poderia mais dançar. Já não andava direito, mancava. Não tinha operação que salvaria. Aí fiz uma cirurgia espiritual e me apeguei muito na fé. Me curei. Ou melhor, me curaram, né?

E como é essa cirurgia?
É uma mãe de santo que, de alguma forma, faz essa operação espiritual.

Não corta?
Não. Ela passa uma faca, mas é uma coisa mais de oração. Fiquei um mês com o pé enfaixado, fiz o exame e estava perfeito. Foi surreal. Acredito muito porque tive uma prova concreta de um milagre. Tinha 15 anos.

Com que idade começou a dançar para precisar operar o pé aos 15?

Minha primeira aula de dança foi aos 11. Queria ser atriz de musical. Tinha a ideia de estar no palco. Não pensava em lançar um CD e ser cantora. Era louca por O Mágico de Oz, depois por Grease. Então, fui fazer teatro aos 12, aula de piano, de canto e teatro na Flórida. E, quando estava começando o ensino médio, veio a proposta da gravadora. Foi quando senti que tinha que voltar para o Brasil.

Você e sua família foram morar nos Estados Unidos depois que seu tio foi sequestrado (Wellington José de Camargo, 39, paraplégico, passou 94 dias em cativeiro entre 1998 e 99. Os sequestradores cortaram parte de sua orelha para pressionar as negociações). No que isso te abalou em questão de segurança?

Você nunca mais fica relaxada no seu país. Até hoje fico no retrovisor, tensa. Se vejo um carro atrás de mim por mais de 5 minutos, já observo. Muda, porque você vê o mal escancarado. E depois descobri pelo Jornal Nacional que o plano era para ser comigo. Fiquei em pânico.

Ainda anda com seguranças?
Desde o sequestro. Não tem como. O que vi acontecer com o meu tio é muito surreal, sabe? Então tenho muito pavor de acontecer comigo.

“É isso que estou buscando, que as pessoas me enxerguem como a Wanessa Godoi Camargo Buaiz, que tem sua própria história.”

Em algum momento da vida pensou: “Putz, que peso esse Camargo na minha vida”?
Não. As pessoas põem um peso maior. Impuseram barreiras, ou não, pelo nome. Eu tenho muito orgulho. Da família do meu pai, do meu nome. Mas entendo que é necessário, às vezes, as pessoas me enxergarem como Wanessa. E é isso que estou buscando, que as pessoas me enxerguem como a Wanessa Godoi Camargo Buaiz, que tem sua própria história.

Quantos anos tinha quando seu pai estourou?

Quando “É o Amor” estourou, tinha 9. Fazia quatro anos que tinha vindo de Goiânia para São Paulo. Lembro do lugar que a gente morava, do colégio, de como nossa vida transformou rápido. Em questão financeira, principalmente. De não ter carro.

Onde moravam?
Num apartamento que tinha dois colchões. Aí fomos morar na Vila Prudente. Depois de cinco meses que “É o Amor” estourou, mudamos para a Mooca, que foi nosso primeiro apartamento. E, dali, para Alphaville e estamos lá até hoje [Wanessa continuou morando no residencial depois de casada, em uma casa diferente]. Foi quase como um conto de fadas. Quer dizer, nem tanto. Porque meu pai passou o pão que o diabo amassou para conseguir.

Essa coisa de não ter grana e depois ter muita dá uma pirada. O que aconteceu contigo?
Eu sempre fui muito feliz, então não via como um problema o não ter. Mas imagina uma criança que está morando na Disney. Era isso todos os dias.

O que chegou pra você?
Eu podia ir para o colégio de carro. Aquilo parecia uma coisa descomunal. Ter o tênis novo da Barbie. Mas dinheiro nunca me subiu à cabeça. E naquele momento não era nem o dinheiro. Como meu pai virou famoso, foi mais complicado de entender as amizades. Me irritava minhas amigas querendo ver meu pai o tempo inteiro. Com o tempo, como vem o dinheiro, vêm as falsidades.

Você teve que criar uma personagem para fugir disso tudo?
Devo ter criado sem saber. Fui aprendendo a falar menos e ouvir mais. É a melhor forma de defesa que posso ter criado. Mas só criei isso agora. Na época era muito sincera, quando sentia que estava sendo enganada já ia brigar. Batia a cara até encontrar gente que era bacana. Foi assim até que resolvi ficar no silêncio. Hoje conheço as pessoas primeiro observando e depois me aproximo.

No que o Marcus te atraiu?
Ele é muito sincero, fala tudo na lata. Gosto disso. Pensando fisicamente, foi a boca que me chamou a atenção.

Onde estavam?

Na balada. A gente conversou um pouco e já gostei dele. Não é que foi o amor da vida, teve um desenrolar pra gente se conhecer. Mas o primeiro clique foi forte, foi sem falar um “a”.

Vocês estão casados há três anos. Casar era como imaginava?

É complicado. Porque não sou uma pessoa de rotina. Durmo errado, durmo de um jeito, ele de outro. Tem 1 milhão de coisas que você tem que ajustar, principalmente no primeiro ano. Então é ideal que você tenha um espaço só seu em casa.

Para dormir?
Não para dormir. É gostoso dormir junto.

O que é “dormir errado”, então?

Gosto de dormir com barulho, com uma televisão ligada, não gosto do escuro total. Já ele gosta. São coisas bobas. Gosto de comer deitada em sofás, em camas, lendo revista. E ele sempre comeu à mesa com a família. Tive que aprender a dizer: “Amor, vou comer e depois sento e te acompanho”.

O que espera do casamento?

Tem que ter uma individualidade. Acho que as pessoas têm que estar juntas porque têm paixão uma pela outra. O desejo de corpo também tem que continuar existindo, senão ferrou. Admiração você tem que ter o tempo inteiro, e quando se está num relacionamento de anos, em que você vê os erros, a admiração fica arranhada. Não acho o casamento fácil, até porque a nossa geração de mulheres está muito diferente. A mulher só fica se ela quer. E vejo muitos homens que não sabem lidar com essa mulher mais livre. Acredito no casamento com essa liberdade. Claro que com respeito. E acredito em fidelidade sim. Acho que não funciona um casamento aberto.

“Não acho o casamento fácil… E vejo muitos homens que não sabem lidar com essa mulher mais livre.”

Para você não funciona?
Não, não saberia como lidar com o Marcus sabendo que ele está ficando com uma ali, outra aqui. Acredito na fidelidade se os dois estão a fim. O casamento parte do princípio de que você está junto porque quer. E, principalmente, de um respeitar o outro.

O que é respeitar?
Respeitar que um casamento não precisa ser uma imagem, do tipo usar uma aliança o tempo inteiro porque estamos casados. Não uso porque gosto de trocar de anel. Por exemplo, este anel [uma caveira], que gosto pra caramba, não combina com uma aliança dourada. E não vou cobrar isso dele. Não vou proibir o Marcus de viajar com os amigos. Não existe ele ter que chegar em casa tal horário.

O boato de que vocês estão se separando foi por causa da aliança?
Foi. É que não uso aliança todas as vezes. E no show da Beyoncé não usei e pegaram. As pessoas não aceitam. As pessoas não entendem que é diferente daquilo que elas vivem, então é difícil você aceitar um casamento que tenha a postura diferente do seu. Para mim é inadmissível um casamento que parece que o casal é grudado.

O Marcus também pensa assim?
A gente tem essa ideia. Desde o começo sabia que ele ia trabalhar com noite. É muito mais complicado entender o lado dele do que o meu. Porque fico muito fechada no show, né? Os fãs têm muito respeito. No dele tem o assédio mais próximo.

Como lida com isso?
Tranquilamente. Meu ciúme é um ciúme normal. Não gosto de me sentir guiada então não vou fazer isso com ninguém. A gente dá certo porque ele me dá essa liberdade de estar com as minhas amigas, de passar a manhã em casa, no estúdio. Cobrança é um saco. Acredito que os casamentos vão funcionar assim. O meu pelo menos vai funcionar se tiver esse respeito mútuo pela individualidade.

O sexo mudou depois de três anos de casamento?
Claro que a rotina com que você faz não é a mesma, mas fica melhor. Acho a intimidade muito boa. Depois do primeiro ano, a gente não tem mais vergonha de nada.

Sexo é importante?
É. Mas não só o sexo. O abraço, a pele, o toque, você se arrepiar, olhar para a pessoa e querer beijar. A mulher não tem isso só de sexo. Às vezes quer ficar beijando na boca e não quer passar dali. Adoro beijo.

Você gosta de sexo?
Gosto, se for bem-feito. Não gosto de sexo por sexo.

O que é sexo por sexo?
Aquela coisa de ir, fazer e gozar. Eu gosto da relação que o sexo traz, de entrega ao outro.

Quais são as partes do corpo masculino que te atraem?
O olhar, a boca e aquela entradinha [o oblíquo]… Acho que toda mulher gosta. Isso é muito bonito.

Onde sente mais prazer?
No pescoço. Adoro pescoço.

A gente falou de sexo e de música. Se perguntasse se já experimentou maconha, falaria a verdade? Já teve contato com drogas?
Não sei se diria se tivesse experimentado. Então fica a dúvida no ar. Não acho uma coisa bacana, acho uma fuga. Uma bebida de vez em quando é legal, não em excesso. Estava lendo uma matéria outro dia sobre o crack e isso me assusta. Mas não sei até que ponto tal droga vai fazer você chegar a outra… Tem gente que é viciada em remédio para dormir. O vício é uma coisa muito séria porque é um distúrbio, é alguma coisa que não está equilibrada em você.

Já teve algum vício?
Meu problema, quando mais nova, foi com comida. Era tudo afogado na comida.

Compulsão?
É, compulsão. Engordei 10 quilos nos Estados Unidos porque era compulsiva. Depois quis fazer regime, exagerei, fiquei quase sem comer.

Anoréxica?
Não, não cheguei. Mas tive que me cuidar.

Percebeu sozinha ou alguém falou: “Wanessa, você está exagerando”?
Não, porque sou esportista, né? Adoro correr. Mas um dia estava na esteira e vi estrelas. Aí falei: “Pô, preciso comer”.

O que te tira do sério?

Muita coisa. A indiferença com o outro me tira do sério. A mentira não, porque às vezes a mentira é necessária. E a covardia do homem contra a mulher, que é, sim, mais frágil fisicamente. Acho um absurdo homem bater em mulher.

Você falou de mentiras necessárias. Que mentiras necessárias você já contou?
Ah, mentirinhas. Tem coisas que são necessárias, que não dá para você contar…

Quantas mentiras você contou nesta entrevista?
Putz…

Perdeu a conta?
Não. Aqui não foi necessário. Minhas mentiras são coisas que todo mundo fala para tentar viver mais em harmonia. Não são mentiras que vão comprometer o meu caráter. Muito menos vão impedir alguém de entender quem sou.

É isso ai gente….essa é Wanessa!

Um bj

See you soon….

*fonte:revista TPM

Thanks

Tags:

A lindíssima Sabrina Sato lança agora em setembro sua linda de cosméticos em parceria com a Yes!Cosmétics.

*Amei as cores….destaque para o Ladt Lilac!!!!Luxu total!!!!

*Body Splashes

Pelo jeito essa linha tem tudo pra bombar!!!!

Se depender do carisma e da beleza da Sabrina….vai ser sucesso garantido!

Bjokas girls….

Bj Doris

Seja Bem vindo ao Makexpres!!!


O que vocês gostariam de ver aqui no makexpress?Deixe sua sugestão!Bjs

junho 2017
S T Q Q S S D
« ago    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Twitter now!

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 1 outro seguidor